segunda-feira, 3 de março de 2014

Opções de Investimento

Existem muitas opções de investimento disponíveis, cada investidor deve avaliar qual é o investimento mais adequado à sua pessoa.

Existem algumas considerações chave quando se pensa em investir, são elas: capital disponível, prazo de investimento, perfil de risco.

O acto de investir implica muita reflexão, análise e estudo. Leia revistas, livros, blogs e consulte os seus familiares e amigos. Assim conseguirá chegar às melhores opções de investimento.

Dê preferência a aplicações que tenham juros compostos, ou seja onde os juros são aplicados novamente em vez de serem distribuídos. Esta opção pode valer-lhe milhares de euros ao final de alguns anos.

 Depósitos a prazo


É uma das aplicações mais seguras. A sua rentabilidade é normalmente um pouco limitada face a outras opções, mas é uma excelente hipótese para começar. Atualmente os depósitos a prazo apresentam taxas muito baixas (cerca de 1%) pelo que será melhor opção optar pelos certificados do tesouro poupança mais (cerca de 3%).

 Acções ou fundos de investimento


Analisando os registos ao longo dos tempos, historicamente as acções são o produto financeiro que apresentou maiores taxas de rentabilidade (taxas de 7%). No entanto este não é um investimento seguro e requer alguns conhecimentos de avaliação de empresas e de mercado. É um jogo que deve ser feito para horizontes temporais elevados (5anos). A não ser que seja conhecedor das técnicas e tem um perfil de investidor arriscado, a bolsa poderá trazer-lhe grandes mais valias. A bolsa no geral acompanha os ciclos económicos (sobe antes da economia crescer e desce antes da economia começar a descer). Requer estudo e sorte. No entanto é uma boa opção para pequenas partes do seu capital (5 a 10%, por exemplo). Não se deve colocar a maior percentagem dos seus investimentos nestes produtos com risco.

Certificados de aforro e do tesouro


Os certificados de aforro e do tesouro são produtos de dívida do estado, neste momento apresentam rentabilidades superiores aos depósitos a prazo, o que representa uma boa aposta com risco baixo. Este produto apresenta garantia do estado e pode ser subscrito nos CTT. Os certificados de aforro são mais indicados para investimentos até dois anos e os certificados do tesouro poupança mais para prazos de 2 a 5 anos (rentabilidade bruta na ordem dos 3%).

Poupança reforma e poupança habitação


As poupanças reforma já se apresentaram vantajosas no passado, uma vez que tinham bons benefícios fiscais, hoje em dia não vale a pena optar por poupanças reforma uma vez que apresentam taxas de juro muito baixas.

Também a poupança habitação deixou de se tornar atrativa uma vez que as taxas de juro são bastante baixas, mesmo face a um depósito a prazo. Apresenta vantagem aquando da compra de habitação pois permite desconto nalgumas despesas administrativas.

Imobiliário


O imobiliário foi no passado uma excelente forma de investimento, permitindo nalguns casos ganhos de 100 por cento em poucos anos. Neste momento este tipo de investimento requer mais cautela, no entanto pode ser uma boa opção. Se tem capital disponível, atualmente encontram-se casas a bons preços. Poderá posteriormente ter um rendimento da mesma alugando-a. Com o excesso de oferta de habitação existente em Portugal, a carga fiscal aplicada, o corte na concessão de crédito por parte dos bancos devido à crise financeira que se faz sentir tornou o investimento em imobiliário difícil, no entanto há boas oportunidades.

Terrenos agrícolas


Com a actual crise que se vive, a procura por terrenos agrícolas é cada vez maior, seja apenas para a chamada agricultura de subsistência (do dia-a-dia) ou até mesmo para a agricultura para venda. Há mais de 50 anos atrás os terrenos agrícolas apresentavam grande valor, uma vez que a procura era imensa. Neste momento a procura por terras agrícolas está a crescer e quem sabe não poderá vir a ser um bom investimento. Portugal importa grande parte dos bens agrícolas que consome, então a agricultura tem bom potencial. Também as exportações estão a crescer.

Empreendedorismo


Se por acaso tem uma veia empreendedora aliada a uma boa ideia porque não investir no seu próprio projecto. Para quem gostar e tiver força de vontade esta pode ser uma forma de fazer dinheiro. No entanto apresenta também um risco associado. O empreendedorismo é uma das formas que lhe permite ganhar mais dinheiro, para tal precisa de ser bem-sucedido.

3 comentários:

  1. […] São conhecidas histórias de várias pessoas que ganharam muito dinheiro e que passado algum tempo perderam tudo aquilo que tinham ganho. Normalmente trata-se de pessoas que não estão habituadas a ter muito dinheiro e deixam-se enganar por amigos oportunistas, maus investimentos e excessos de extravagâncias. Este post também é para ajudar quem tenha mais dificuldade de fazer essa gestão. A seguir deixo algumas sugestões de boas formas de investir o dinheiro. […]

    ResponderEliminar
  2. Em qualquer pais excepto portugal pela sua escassez os terrenos agricolas estao a valorizar, a terra produz e agarra-se aos pés do investidor, tem sempre valor, nesta
    aldeia de tesos e chicos espertos ninguem quer vergar a mola, come-se fiado o que vem de fora ate ver, qualquer dia comemosas e os calhaus. No tempo dos meus pais uma pequena fazenda permitia educar e dar um curso a 5 filhos que agora sao dr mas estao no desemprego.Tambem se arrebentou com retalhistas e merceeiros donos das grandes superficies impoem preços e ate vendem uva sem grainha importada do Brasil e min agricultura e governo permitem esta pouca vergonha.
    Existem tabelas para se saber por zonas o preço por m2 dos terrenos urbanos porque nao fazer o mesmo para os terrenos rusticos, será para chicos espertos virem oferecer ridicularias por m2 e depois pedirem balurdios quando os revendem,
    com altos lucros, quando os proprietarios os poderiam vender directamente aos investidores por um preço justo, claro que é evidente que aceisisso nao interessa aos amigalhaços que vivem de golpadas faceis e agora com novos fundos vai ser novamente encher o bandulho.

    ResponderEliminar
  3. […] vezes o recurso ao crédito torna-se inevitável para colmatar um imprevisto, fazer um investimento ou até cometer uma […]

    ResponderEliminar